۞ Luar da Mandala ۞

Da Magia ao Encanto!

Feito a Mão

" Dar um presente artesanal é evitar a espera nas filas das grandes lojas e nos shoppings, mas também é algo que possui um significado muito maior. Quem compra presentes artesanais tem a satisfação de apoiar diretamente o trabalho do artista ou artesão. Já quem recebe, ganha algo único, feito com carinho e atenção que podem ser sentido e vistos no próprio produto. Um presente artesanal é o resultado do talento e dedicação, fatores que estão ausente nos produtos provinientes da fabricação em massa/industrial!" ( Tradução livre de texto do site do movimento BUY HANDMADE-por Andrea Superziper )

Sobre Mandalas

Mandala é a palavra sânscrita que significa círculo, uma representação geométrica da dinâmica relação entre o homem e o cosmo. De fato, toda mandala é a exposição plástica e visual do retorno à unidade pela delimitação de um espaço sagrado e atualização de um tempo divino. As mandalas oferecem um equilíbrio visual, simbolizando união e harmonia. Ela representa plenitude, e pode ser visto como um modelo para estrutura organizacional da própria vida, é um diagrama cósmico que lembra a nossa relação com o infinito, o mundo que se estende para além de nossa existência e ao mesmo tempo, para dentro de nossos corpos e mentes. Resumindo uma mandala pode ser vista como um meio hipnótico, deixando o hemisfério criativo da nossa mente correr um pouco mais livre, enquanto a nossa mente analítica tem um pequeno descanso. A mandala é muita usada para meditação, ajuda na concentração, os nossos olhos se fixam no centro da mandala e na beleza de seus desenhos , permitindo a nossa mente vagar com maior facilidade. Atualmente a mandala é muito usada na decoração, aparece em diferentes formas e modelos, as minhas preferidas são as tibetanas ou nepalesas, perfeitas, minuciosas e muito coloridas, encantam os olhos e o coração. Fonte: http://www.webtelas.xpg.com.br/

Sobre Kusudamas

Uma antiga lenda oriental conta que o Festival Tanabata teve origem a partir de uma história de amor entre a linda princesa Orihime e Kengyu. Eles se apaixonaram profundamente e a partir daí a vida de ambos girava apenas em torno do amor, esquecendo completamente de suas obrigações. Os deuses vendo a atitude deles resolveram castigá-los e transformá-los em estrelas, separando-os em pontos distantes da Via Láctea. Para aliviar o sofrimento do casal apaixonado, foi concedido um encontro anual que ocorre no sétimo dia do sétimo mês do ano. Neste período comemoramos o Festival Tanabata ou Festa das Estrelas. E os ornamentos que compõem a decoração do evento são os bambus e os Kusudamas. O bambu representa a Via Láctea, já os Kusudamas simbolizam as estrelas. Origem: http://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/scultura/tanabata/i14principal.asp?pagina=/scultura/tanabata/I14kusudamas.htm

Para descansar a alma



Arranje um cantinho sossegado e uma almofada gostosa. Acenda um incenso de sândalo. Sente-se com as costas bem retas. Coloque as mãos sobre os joelhos, com as palmas para cima e balance o corpo lentamente da esquerda para a direita, de movimentos maiores a movimentos menores, como um pêndulo, até encontrar o centro de equilíbrio do corpo.
Pare aí. Inspire profundamente e solte o ar lenta e completamente pela boca. Relaxe os ombros. Inspire novamente e solte o ar pela boca. Então cerre os lábios, coloque a ponta da língua no céu da boca e respire pelas narinas. Mantenha os olhos entreabertos, apenas pousados a sua frente.

Ouça todos os sons. Sinta todas as fragrâncias. Perceba o ar, a temperatura em sua pele. Você está pensando? Ou não está pensando? Verifique sua postura. Costas eretas. Cabeça como se um fio puxasse para o céu. Pernas firmes pela força da gravidade. Não julgue. Nem certo nem errado, nem bonito nem feio. Seja. Apenas sentar. Intersendo com tudo que existe. Que bom estar viva. Este instante aqui e agora é o céu e a terra. Isso é tudo. Tudo é nada.

( Monja Coen)

0 comentários:

Postar um comentário



"Não pense que espiritualidade está apenas em templos, igrejas e montanhas: ela está onde você está. A palavra espírito vem da nossa capacidade de inspirar e expirar. Se alguém me insulta e sou capaz de compreendê-lo, sem me deixar levar pela raiva, pela vingança ou pela tristeza, estou praticando a espiritualidade. O estresse, a pressa e o trânsito são ótimas oportunidades de prática espiritual. Ao perceber a tensão, já me coloco em outro patamar: inicio um processo de autoconhecimento, percebo o que impulsiona e o que me retrai. A vida urbana nos dá ótimas oportunidades para aprimorar a paciência, a tolerância, o respeito à vida, a sabedoria e a compaixão. Todos os seres são conectados. Faça o seu melhor, respira profundamente e seja gentil.” Monja Coen

CLIQUE NA IMAGEM

O Balé das Mandalas