۞ Luar da Mandala ۞

Da Magia ao Encanto!

Feito a Mão

" Dar um presente artesanal é evitar a espera nas filas das grandes lojas e nos shoppings, mas também é algo que possui um significado muito maior. Quem compra presentes artesanais tem a satisfação de apoiar diretamente o trabalho do artista ou artesão. Já quem recebe, ganha algo único, feito com carinho e atenção que podem ser sentido e vistos no próprio produto. Um presente artesanal é o resultado do talento e dedicação, fatores que estão ausente nos produtos provinientes da fabricação em massa/industrial!" ( Tradução livre de texto do site do movimento BUY HANDMADE-por Andrea Superziper )

Sobre Mandalas

Mandala é a palavra sânscrita que significa círculo, uma representação geométrica da dinâmica relação entre o homem e o cosmo. De fato, toda mandala é a exposição plástica e visual do retorno à unidade pela delimitação de um espaço sagrado e atualização de um tempo divino. As mandalas oferecem um equilíbrio visual, simbolizando união e harmonia. Ela representa plenitude, e pode ser visto como um modelo para estrutura organizacional da própria vida, é um diagrama cósmico que lembra a nossa relação com o infinito, o mundo que se estende para além de nossa existência e ao mesmo tempo, para dentro de nossos corpos e mentes. Resumindo uma mandala pode ser vista como um meio hipnótico, deixando o hemisfério criativo da nossa mente correr um pouco mais livre, enquanto a nossa mente analítica tem um pequeno descanso. A mandala é muita usada para meditação, ajuda na concentração, os nossos olhos se fixam no centro da mandala e na beleza de seus desenhos , permitindo a nossa mente vagar com maior facilidade. Atualmente a mandala é muito usada na decoração, aparece em diferentes formas e modelos, as minhas preferidas são as tibetanas ou nepalesas, perfeitas, minuciosas e muito coloridas, encantam os olhos e o coração. Fonte: http://www.webtelas.xpg.com.br/

Sobre Kusudamas

Uma antiga lenda oriental conta que o Festival Tanabata teve origem a partir de uma história de amor entre a linda princesa Orihime e Kengyu. Eles se apaixonaram profundamente e a partir daí a vida de ambos girava apenas em torno do amor, esquecendo completamente de suas obrigações. Os deuses vendo a atitude deles resolveram castigá-los e transformá-los em estrelas, separando-os em pontos distantes da Via Láctea. Para aliviar o sofrimento do casal apaixonado, foi concedido um encontro anual que ocorre no sétimo dia do sétimo mês do ano. Neste período comemoramos o Festival Tanabata ou Festa das Estrelas. E os ornamentos que compõem a decoração do evento são os bambus e os Kusudamas. O bambu representa a Via Láctea, já os Kusudamas simbolizam as estrelas. Origem: http://www.ribeiraopreto.sp.gov.br/scultura/tanabata/i14principal.asp?pagina=/scultura/tanabata/I14kusudamas.htm

Origami e Espiritualidade


Todos os dobradores conhecem a história de Sadako, a menina que estava em Hiroshima
quando a primeira bomba atómica foi lançada sobre a população humana. Sadako
sobreviveu à explosão mas depois, quando atingiu os 12 anos, adoeceu devido aos efeitos da radiação. Há uma crença tradicional japonesa de que se uma pessoa doente dobrar um milhar de grous de papel, então fica melhor. Por isso, Sadako começou a dobrar grous de papel. Com o tempo, contudo, a sua saúde não melhorava e ela foi percebendo que não ia recuperar. Então, em vez de dobrar para ela mesma, começou a dobrar para as outras crianças que também estavam atacadas pelo mesmo mal. Cada grou que ela dobrou era como uma prece.
Afirmam que ao dobrar cada um dos grous, ela dizia-lhe: " Vou escrever Paz nas tuas asas e vais voar à volta do mundo". E assim a sua prece era não só pela cura e pela felicidade, mas também pela Paz.
Sadako não viveu para dobrar todos os seus mil grous e os seus companheiros de escola
completaram a tarefa. Uma das versões da história diz que os enterraram com ela. Mas a oração de Sadako pela vida teve a sua resposta porque a história de Sadako e dos seus colegas de escola chegou ao conhecimento de todo o Japão e foi criado um fundo para construir um instituto para o tratamento das vítimas das radiações. E o grou de papel transformou-se num símbolo de paz e reconciliação.

sadako e tsurus Pictures, Images and Photos



No Japão e no ocidente muitas crianças e adultos decidem dobrar mil grous de papel como prece para a recuperação de alguém que está doente ou para enviar para o Parque da Paz em Hiroshima em memória do horror que ali aconteceu e como uma oração pela Paz. Mas ainda hoje muitos há que dobram mil grous à maneira antiga, como símbolo de uma longa vida e de felicidade.


O significado tradicional do grou sempre foi o de vida longa e portanto, felicidade.
O grou de papel dobrado é uma das criações mais importantes do origami no Japão e qualquer japonês aprende a dobrá-lo ainda criança.
Não precisamos ser seguidores do Zen para perceber que as nossas dobras podem
propiciar a meditação. Muitos dobradores descobriram isto mesmo ao dobrarem múltiplas
cópias de módulos idênticos para uma criação modular, ou ao dobrar grous para perfazer um milhar a ser doado a uma pessoa doente, ou ser enviado para ficar suspenso em frente à estátua de Sadako no Parque da Paz em Hiroshima.



Quando dobramos, os dedos estão ocupados sem necessidade de interferência mental e a repetição tem um efeito libertador nas nossas mentes. Dobrar actua como um mantra que liberta o espírito para a oração e a meditação. Esta será uma das ligações mais fortes entre a dobragem de papel e a espiritualidade e, de certa forma, passamos por uma experiência libertadora semelhante às do Budismo Zen.
Então, mais uma vez, olho para o simples quadrado de papel na minha frente. E descubro que ele já não é mais um simples pedaço de papel. Descubro que tem uma moldura mágica através da qual posso disfrutar paisagens encantadas e passar a mundos de elevada experiência e espiritualidade. E então lembro as palavras de William Blake:
"Ver o mundo num grão de areia, E o paraíso numa flor silvestre, Ter o infinito na palma da tua mão, E a eternidade numa hora."

© David Lister
tradução de Fernando Nascimento



Pra quem nâo conhece e queira aprender a dobrar o grou (tsuru) abaixo o diagrama:




9 comentários:

Oi, Adriana

Parabéns pelo blog e pelas postagens. Profunda a frase de William Blake, não é? Ele estava inspirado ...
Bem, como reparei que você gosta de mandalas, vou lhe dar duas dicas de download. Espero que goste:

http://www.scribd.com/doc/7067529/Saquinhos-de-ChC3A1-Mandalas

http://www.mediafire.com/?buz2hmtgymm

Até logo :)

 

Oi, Adriana

Verifique se vc tem bloqueador de pop up.
Ao clicar no link vai abrir uma página de download com o nome do arquivo "Transparente.rar".
Salve-o no seu computador e o descompacte.
Tchau

 

Oi, Adriana.

Desvendei o mistério.

O PAP ( http://cedison.wordpress.com/2009/08/26/new-modular-woven-wreathsun-dial-and-some-links-i-like/ ). Este origami é semelhante ao Anel de Compostela (tem lá no meu blog). O PAP da Christine está legal, mas do passo 7 pra frente ela só explicou, mas não colocou as fotos.Mas é simples. Veja só (siga pelo link que te mandei).

Após finalizar o passo 6:

1- gire o papel 90 graus (no sentido anti-horário);
2- dobra vale um pouco abaixo do meio, fazendo com que a ponta inferior se alinhe com a quina (veja o pontilhado);
3- repita o mesmo na outra ponta;

Veja que foram marcadas as duas paralelas (dobras vales) que aparecem no passo 8a.

Prosseguindo:

6- Dobre a ponta superior para trás (dobra montanha) a 1/3 da altura;
7- Pronto. Feche nas dobras paralelas e terá a figura 8b.

E agora ... ficou mais fácil?

Se eu tiver tempo, pretendo refazer esse PAP e colocar o diagrama para facilitar, mas estou dobrando dois origamis que pedem prioridade.

Tchau :)

 

que lindo seu blog, estava "passeando" pela net e encontrei esse lugarzinho magico,muito lindo,quero ser seguidora mas ainda não conseguim dá erro na pagina,mas vou ficar tentando,parabens

 

Nossa, Rita! Por que será? Tente de novo, qualquer coisa, me mande um email, que te ajudo, ou o endereço do seu blog.
Bjs

 

Oiii ...consegui entrar e ser seguidora do seu blog,eu estou aprendendo a fazer a estrelinha da sorte, ainda não fica tão bonita como as que eu vi pela net, mas vou aprender....bjs não estou conseguindo postar, por isso estou como anonimo, mas sou a Rita de Cassia

 

Rita,essa estrelinha não é dificil, o segredo é a pratica, as minhas primeiras, ficavam um horror, agora melhorou um pouco... vc tem blog?
Bjs

 

oi eu ainda não tenho um blog, não sei fazer,mas gostaria de ter um, para mostrar meus trabalhos, as coisas que eu gosto de fazer,e tambem poder trocar ideias com as pessoas.
Rita
Como faço para postar sem ser como anonimo?rsrs

 

Rita,me deixe seu email que te explico.

 

Postar um comentário



"Não pense que espiritualidade está apenas em templos, igrejas e montanhas: ela está onde você está. A palavra espírito vem da nossa capacidade de inspirar e expirar. Se alguém me insulta e sou capaz de compreendê-lo, sem me deixar levar pela raiva, pela vingança ou pela tristeza, estou praticando a espiritualidade. O estresse, a pressa e o trânsito são ótimas oportunidades de prática espiritual. Ao perceber a tensão, já me coloco em outro patamar: inicio um processo de autoconhecimento, percebo o que impulsiona e o que me retrai. A vida urbana nos dá ótimas oportunidades para aprimorar a paciência, a tolerância, o respeito à vida, a sabedoria e a compaixão. Todos os seres são conectados. Faça o seu melhor, respira profundamente e seja gentil.” Monja Coen

CLIQUE NA IMAGEM

O Balé das Mandalas